segunda-feira, 24 de agosto de 2015

VÍRUS E BACTÉRIAS: 
QUE BICHINHOS SÃO ESSES?


No trajeto de ônibus do centro até a minha casa, sentei ao lado de uma mãe com o filho (de aproximadamente 5 anos) no colo. O menino, então, iniciou o seguinte diálogo:

MENINO: Mamãe, como chamam aqueles bichinhos?
MÃE: Quais?
MENINO: Aqueles que ficam dentro do nosso corpo (e apontou para sua barriga).
MÃE: Ah sim... Tem dois tipos: os vírus e as bactérias.
MENINO: É verdade que eles matam a gente?
MÃE: Eles tentam matar, mas dentro do nosso corpo tem uns soldadinhos que não deixam eles destruírem a gente.
MENINO: Mãe, qual deles é mais forte?
MÃE: Os vírus costumam morrer sozinhos ou os soldadinhos conseguem matá-los. Para matar as bactérias, a gente precisa de um remédio que chama antibiótico.
MENINO: Ah... E se tivesse uma guerra entre os vírus e as bactérias, quem ganhava?
MÃE: Acho que as bactérias...


VÍRUS E BACTÉRIAS

Eles são pequenos, estão em todos os lugares, alguns são “do bem”, outros nem tanto, mas o fato é que precisamos aprender a conviver com eles, sem deixar que nos prejudiquem – são os vírusbactérias efungosmicro-organismos que vamos conhecer melhor a partir de agora...
Para começar, é importante saber 
que são chamados de micro-organismos porque são muito, mas muito pequenos mesmo, tanto que só 
conseguimos eEles são pequenos, estão em todos os lugares, alguns são “do bem”, outros nem tanto, mas o fato é que precisamos aprender a conviver com eles, sem deixar que nos prejudiquem – são os vírusbactérias efungosmicro-organismos que vamos conhecer melhor a partir de agora...

Para começar, é importante saber 
que são chamados de micro-organismos porque são muito, mas muito pequenos mesmo, tanto que só 

conseguimos enxergá-los com auxílio de lentes de aumento que, neste caso, só podem ser os microscópios.nxergá-los com auxílio de lentes de aumento que, neste caso, só podem ser os microscópios.
Os vírus são organismos extremamente simples, as, só conseguem sobreviver quando invadem as células de nosso corpo. Assim, resistem pouco tempo quando estão ao ar livre.
Como exemplo de doenças causadas por vírus podemos citar: gripe, caxumba, sarampo, catapora, paralisia infantil e Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - SIDA, entre outras.
Você pode pesquisar mais sobre as doenças causadas por vírus clicando aqui.
 As bactérias são um pouco mais complexas, pois são consideradas como células por ter uma organização mais complexa, com todos os organoides que uma célula tem. São, portanto, unicelulares e por isso conseguem ficar por muito tempo no ambiente, mesmo sem ter entrado no corpo humano. Também podem ser transmitidas através de água e alimentos contaminados, do ar, do solo etc.
Os únicos remédios que conseguem acabar com as bactérias são os antibióticos, mas devemos ter cuidado para administrá-los, pois as bactérias criam resistência a eles, ou seja, ficam “mais fortes” para um determinado antibiótico quando este é administrado de forma errada.
É importante saber que convivemos, normalmente, com bactérias, sem ter doenças, porque elas fazem parte da constituição normal do organismo. O problema ocorre quando elas vão parar em uma parte do corpo diferente da que estão acostumadas, como, por exemplo, as bactérias que estão geralmente nas mãos e vão parar na mucosa bucal ou que estão no intestino e vão parar no estômago. Nestes casos, o organismo perde seu equilíbrio natural e as bactérias podem, sim, causar doenças.
Algumas doenças causadas por bactérias são: pneumonia, sífilis, meningite etc.
Você pode pesquisar mais sobre as doenças causadas por bactérias clicando aqui.
Já os fungos são completamente diferentes, possuem uma estrutura mais complicada, pois têm várias células. Portanto, são pluricelulares. Adoram locais úmidos e escuros, por isso crescem com facilidade na geladeira, em pacotes fechados em armários e até mesmo no tênis, causando odor característico. Este caso é o que chamamos de mofo ou bolor, que são espécies de fungos que têm esporos, células microscópicas que flutuam no ar e quando vão parar nestes locais característicos têm mais facilidade de se desenvolver.
Alguns fungos são microscópicos, mas há outros bem grandes, que são usados, inclusive, para alimentação, como por exemplo, os cogumelos, e estes não fazem mal nenhum à saúde.
Aqueles que são prejudiciais à saúde atingem a superfície da pele, em locais onde há acúmulo de suor ou umidade, como as axilas, virilha e entre os dedos dos pés.
Antibióticos
Os antibióticos são medicamentos à base de penicilina, muito eficientes, principalmente, no combate das bactérias. Quem descobriu a fórmula que ajudou muita gente até hoje foi o escocês Alexander Fleming: ele estava desenvolvendo uma pesquisa sobre uma determinada bactéria quando, de um dia para o outro, as colônias foram contaminadas por um fungo. Mas imediatamente ele observou que as bactérias tinham morrido na presença do fungo e assim logo foi atrás de qual era a substância liberada pelo fungo que causou a morte das bactérias, chegando até o composto chamado penicilina.
Sem dúvida, essa descoberta deu margem para um grande avanço da medicina no que se refere ao tratamento de infecções de todos os tipos!
Imunização
Normalmente, temos defesas naturais em nosso organismo que contratacam sempre que entram em nosso organismo micro-organismos estranhos sendo que as principais são osanticorpos, proteínas de defesa que estão no sangue. Mas, algumas vezes, os micro-organismos são mais rápidos e acabam provocando as doenças. Para evitar esse processo, é necessário que o organismo seja estimulado antes do micro-organismo atacar, para que, de prevenção, já comece a produzir anticorpos. É justamente essa a função da vacina, introduzir no organismo micro-organismos mortos ou com a ação atenuada para estimular o organismo a produzir anticorpos sem causar doenças.
Foi o britânico Edward Jenner, quem desenvolveu o princípio da vacina. Seus estudos ocorreram na época em que a varíola, doença causada por vírus, atingia 40% da população e, quando não matava, deixava a pessoa com sequelas. Em suas pesquisas, descobriu que se uma pessoa fosse contaminada pela ferida da varíola bovina, uma forma muito mais branda da doença, ficaria livre de pegar a varíola humana.
Atualmente, existem vários tipos de vacinas que previnem diferentes doenças e muitas ainda estão sendo estudadas, como é o caso das pesquisas para imunização contra a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – SIDA.
Prevenção de doenças
- Há hábitos simples que precisamos desenvolver para evitar a contaminação por vírus, bactérias e fungos, veja só:
- Manter os ambientes em que circulam pessoas, muito arejado e limpo;
- Lavar as mãos, principalmente antes de comer qualquer alimento;
- Tomar banho diariamente e enxugar bem todo o corpo;
- Prestar atenção no prazo de validade dos alimentos assim como guardá-los corretamente;
- Lavar sempre frutas e verduras antes de consumi-las;
- Tomar sempre água potável; entre outros...

Curiosidade
- Existem cerca de 150 tipos diferentes de bactérias em nossas mãos! A boa notícia é que elas não causam doenças facilmente, mas, como o ideal é prevenir, nunca deixe de lavar as mãos antes de comer qualquer coisa!
- A Vitamina C, que está presente em frutas como a laranja e a acerola, é um composto que aumenta a resistência do organismo, portanto, coma essas frutas à vontade!

VÍRUS:

É a menor partícula que existe, só é visto ao microscópio eletrônico. O vírus para viver e se multiplicar precisa estar dentro das células de um organismo. Dentro da célula, o vírus consegue assumir o comando, fazendo com que a célula trabalhe para ele. Fora da célula o vírus morre (o tempo ainda não é preciso). Os vírus podem parasitar plantas, animais e bactérias. Doenças como a gripe, a hepatite e a AIDS são causadas por vírus.
Mas o que é o vírus? Um vírus é constituído por apenas uma complexa molécula dentro de um revestimento protetor. Veja a seguir, um esquema da estrutura viral.


Veja abaixo o esquema de replicação do vírus Influenza A.


BACTÉRIA:

Bactéria é um organismo unicelular, procarionte, pode ser encontrada na forma isolada ou em colônias. Pertence ao reino monera. Microrganismo constituído somente por uma célula, sem um verdadeiro núcleo celular.
Descobertas por Anton van Leeuwenhoek em 1683, as bactérias foram inicialmente classificadas entre as plantas; em 1894, Haeckel incluiu-as no reino Protista e atualmente as bactérias compõem um dos três domínios do sistema de classificação. Vulgarmente, utiliza-se o termo "bactéria" para designar também as archaebactérias, que atualmente constituem um domínio separado. As cianobactérias (as “algas azuis“) são atualmente consideradas dentro do domínio Bactéria.
As bactérias são normalmente microscópicas ou sub-microscópicas (detectáveis apenas ao microscópio eletrônico), com dimensões máximas tipicamente da ordem dos 0,5 a 5 micrômetros.
Como já foi referido, as bactérias foram inicialmente consideradas um grupo de plantas (no sentido da taxonomia de Lineu e agrupadas com os fungos (na classe Schizomycetes)) mas, mais tarde, foram agrupadas com outros organismos unicelulares, os Protista e, mais tarde, entre os procariotas. Com o advento das técnicas moleculares, em 1977, Carl Woese dividiu os procariotas em dois grupos, com base nas seqüências “16S” do r-RNA, que chamou os reinos Eubactéria e Archaebactérias, mais tarde denominados Bactéria e Archaea. Alguns cientistas, no entanto, consideram que as diferenças genéticas entre aqueles dois grupos não justificam a divisão e que tanto as arqueobactérias e os eucariontes provavelmente se originaram a partir de bactérias primitivas.
Apesar de algumas bactérias não serem patogênicas, ou sejam, não causarem doenças, e serem usadas na indústria alimentícia na elaboração de certos alimentos, como o iogurte, leite fermentado, etc, a maiorias dos casos de intoxicação alimentares são causados por bactérias ou pelas toxinas que elas liberam. Entre as bactérias patogênicas ou causadoras de doenças mais comuns estão os: estafilococos, clostrídios (Perfringens, Botulinum, etc), Shigella, Escherichia coli e Bacillus cereus, dentre outras. Segue abaixo um esquema de suas estruturas.

Bactéria
Foto: Science Photo Library

ESTRUTURA  Microrganismo unicelular com membrana e citoplasma, sem núcleo definido. Seu material genético, o ácido desoxirribonucleico (DNA), fica disperso. 
MODO DE VIDA  Algumas são parasitas e causam doenças como a pneumonia e a cólera (veja a foto acima). Outras mantêm uma relação harmoniosa com os seres vivos, como as que vivem no intestino humano, auxiliando a digestão. Há ainda as que se alimentam de matéria orgânica morta. 
TAMANHO  O diâmetro da maioria varia entre 0,2 e 2 micras (unidade que representa 1 milésimo de milímetro) e o comprimento entre 2 e 8 micras. Elas são visíveis a olho nu (se reunidas em colônias) ou com auxílio de microscópios ópticos. 
SENSÍVEL A ANTIBIÓTICOS?  Sim. 

Vírus 
Foto: Science Photo Library

ESTRUTURA  Microrganismo acelular. Os mais simples apresentam uma cobertura proteica que envolve seu material genético - o ácido desoxirribonucleico (DNA) ou o ribonucleico (RNA). 
MODO DE VIDA  Todos são parasitas intracelulares. Alguns causam doenças em seres vivos, como a aids (veja a imagem acima, que representa o modelo do vírus HIV criado em computador), a gripe, o sarampo e a rubéola. 
TAMANHO  Geralmente, eles são menores que as bactérias. O comprimento varia entre 20 e 1.000 namômetros (unidade que representa 1 milionésimo de milímetro). São visíveis somente com auxílio de microscópios eletrônicos. 
SENSÍVEL A ANTIBIÓTICOS?  Não.

Disponível em: http://prokariotae.tripod.com/virusebacterias.htm; http://revistaescola.abril.com.br/ciencias/fundamentos/quais-principais-diferencas-virus-bacteria-428542.shtml; http://www.smartkids.com.br/especiais/virus-e-bacterias.html. Acesso em: 24/08/2015.

Imagem disponível em: http://pt.dreamstime.com/imagens-de-stock-royalty-free-germe-ou-bact%C3%A9rias-do-v%C3%ADrus-dos-desenhos-animados-image3234479. Acesso em: 24/08/2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário