quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A DIFERENÇA ENTRE OS MODELOS DE INTEGRAÇÃO E DE INCLUSÃO



Disponível em: https://www.deficienteciente.com.br/conheca-diferenca-conceitual-entre.html. Acesso em: 14/09/2017.

Imagens disponível em: http://esclerosemultiplaeeu.blogspot.com.br/2016/08/. Acesso em: 14/09/2017.


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

UM APELO A SEI LÁ QUEM PELO MAL(BEM) DITO XEROX!!!

Resultado de imagem

Sei que muitos já vão logo pensar que estou ficando louca de defender o mal(bem)dito xerox! Quem diria... Eu, doutora em educação, fazendo isso! Pois é exatamente isso que eu vou fazer! Estava cá eu preparando as minhas aulas para uma turma (de faculdade) e pensei: "Se quero sair da mesmice (e sair da mesmice nesse caso é dar aulas sem datashow, sair do modelo tradicional de transmissão de conhecimento, aquele em que a professora fala e o/a aluno/a simplesmente escuta), preciso levar um material diferente. Preciso levar textos para ler com os alunos, preciso fazer perguntas pra eles, preciso provocar discussões a partir desses textos, preciso colocar eles para produzir algo a partir desses textos, preciso que eles organizem o conhecimento e não apenas eu...". Pois bem! Comecei a me mexer! Peguei um texto daqui (na internet, um vídeo dali, comprei cartolina, canetinha, durex, barbante). Digitei trechos de livros, fui elaborando perguntas, montando dinâmicas diferentes... Quando me dei conta, já estava imprimindo um milhão de cópias na minha impressora. E repito: na minha impressora! Porque é assim: Nenhuma escola, nenhuma faculdade banca material de consumo nesse nível para o professor (aliás, não banca quase nada; quando muito, imprimem a prova semestral - e reclamando!). Isso significa que fazer esse tipo de trabalho custa caro e vai da "boa vontade", do "interesse" e da "disponibilidade" de cada professor. No meu caso, eu adquiri uma EPSON L375 jato de tinta há algum tempo (e foi a melhor coisa que já fiz na vida! Super recomendo!). Ainda assim gostaria de frisar que o uso do xerox NÃO É sinônimo de uma prática reprodutivista ou tradicional. O uso do xerox é, muitas vezes, o que possibilita romper com esse tipo de prática (como acontece geralmente no ensino superior, conforme relatei aqui). Na alfabetização não acredito ser muito diferente, se você tem opções, você leva outros textos, outros gêneros, outros jogos, outras opções para os/as alunos/as (e isso é sempre melhor do que só o livro didático ou só o que tem na própria escola. Por isso, não condenem de imediato o xerox! Ao contrário, ajudem a lutar por melhores condições de trabalho docente nas escolas!

Imagem disponível em: http://biblioufcspa.blogspot.com.br/2012/03/. Acesso em: 17. ago. 2017.




sexta-feira, 14 de julho de 2017

APLICATIVOS DE CELULAR QUE PODEM AJUDAR NA ALFABETIZAÇÃO

Resultado de imagem para aplicativos de celular para crianças

Jogos, brinquedos e brincadeiras são parte do processo de aprendizagem ao longo de toda a infância. Desafiam, despertam a curiosidade e ajudam a estabelecer a relação entre o indivíduo e o mundo. Com o processo de alfabetização não é diferente: eles podem ser uma ferramenta importante para a introdução ao universo das letras.
Para um nativo digital, familiarizado com recursos tecnológicos desde cedo, é natural brincar e jogar videogames, celulares e tablets. E, se tudo isso é parte do cotidiano da criança, não há porque não usar também no caminho que leva à leitura e à escrita.
“Existem aplicativos e programas que contam histórias e ensinam a identificar imagens, letras e palavras”, exemplifica Carlos Querido, coordenador de Tecnologia Educacional do Colégio Nossa Senhora do Morumbi (SP). Ele acredita que vale a pena apostar em recursos tecnológicos, tanto na escola como em casa – embora o uso nesses dois ambientes se dê de maneira diferente. “Na escola, o uso é pedagógico e há o convívio com os colegas. Já em casa, os pais devem ficar atentos à passividade. Deixar a criança jogando sozinha esvazia o sentido da atividade”, afirma. Sem falar que, sozinha, a tecnologia não garante aprendizagem nenhuma.
O mais importante, segundo Querido, é que os pais consigam organizar a rotina e ter um tempo disponível para interagir com o filho na hora de usar o tablet ou smartphone. Ele lembra que a questão da oralidade também é fundamental para a alfabetização, o que reforça a importância da mediação do adulto. Outra orientação é não dar à brincadeira o caráter de obrigatoriedade. Apresente ao seu filho o jogo ou atividade e certifique-se de que ele demonstra interesse. De outra forma, a brincadeira perde a graça e não há nada para aprender com ela.
Com uma capacidade tecnológica que possibilita a mescla de recursos auditivos e visuais, os dispositivos móveis são ótimos suportes para as crianças desde o início de sua caminhada educacional. A importância desses equipamentos na alfabetização infantil se dá principalmente por seu poder de promover o estímulo em crianças de todas as idades. Afinal, são ao mesmo tempo jogo, lousa, caderno e biblioteca! Já pensou que, com recursos tecnológicos que dão vida às historinhas (com sons, imagens em movimento e ações interativas), os livros para tablet se tornam automaticamente muito mais interessantes?

Sugestões de aplicativos para seus filhos

Escolhemos alguns dos melhores aplicativos para a alfabetização infantil e vamos explicar direitinho os motivos para você apresentá-los a seus filhos. Veja só:

ABC do Bita

O ABC do Bita é um abecedário interativo que, com seus joguinhos, estimula o raciocínio lógico das crianças e trabalha a coordenação motora. A proposta do aplicativo é um novo jogo a cada letra. Com visual bem colorido e lúdico, a criança aprenderá com o macaco que balança, com milhos que viram pipoca e com o helicóptero que voa, tudo com uma trilha sonora cativante e locução profissional em português. Ele está disponível tanto para Android como para iOS.

Animal Sound Box

Aplicativo ótimo para entretenimento dos pequenos, o Animal Sound Box reproduz o som de diversos animais com perfeição. Além de mostrar uma simpática ilustração do respectivo bicho, quando a criança toca no desenho surge a foto real do animal. Vale a pena conferir, pois as crianças menores adoram! Está disponível na loja de aplicativos do Windows.

Cocoricó

Famosa na TV Cultura, a Turma do Cocoricó traz muita diversão para os pequenos com um joguinho de pega-pega que é excelente para desenvolver a coordenação motora. Ambientado em uma fazenda, de forma bem lúdica e simples, o jogo traz os personagens abordando situações do mundo real, ao mesmo tempo introduzindo conceitos de convivência e noções de matérias escolares. Essa turminha está disponível tanto para Android como para iOS.

Colorama

Simulando um livro de desenhos para colorir, o Colorama promete entretenimento de sobra para as crianças! São centenas de figuras para pintar apenas com o toque, trabalhando a coordenação motora. Por meio do aplicativo, você ainda pode compartilhar as obras de arte de seus filhos no Facebook e até imprimir os desenhos para os pequenos guardarem e mostrarem aos amiguinhos. Está disponível para o sistema iOS.

Galinha Pintadinha Paint Book

Um verdadeiro livro de colorir de um dos personagens mais queridos do público infantil. Mas o app vai muito além de apenas colorir, viu? Com ele, seu filho aprenderá sobre letras e números enquanto escutas sons. Com interface intuitiva, as crianças poderão colorir as letras e os números com diferentes ferramentas, podendo inclusive alterar cores. Aumentam assim sua habilidade motora e sua percepção do alfabeto. Está disponível para Android.

Matrix Game

Com opções segmentadas para idades a partir de 4 anos, o Matrix Game é um jogo que estimula as habilidades de percepção visual, atenção, concentração e orientação espacial. A proposta da empresa é fazer as crianças brincarem, explorando, experimentando e aprendendo, com desafios coerentes à sua faixa etária. Disponível para iOS.

PalmaKids

Criado pelo Programa de Alfabetização na Língua Materna, o Palmakids é recomendado para crianças em processo de alfabetização infantil tanto na língua portuguesa como na língua inglesa, ajudando na educação bilíngue. Ao desenvolver as memórias auditiva e visual, o joguinho lúdico e autoexplicativo propõe que as crianças conquistem a Galáxia do Alfabeto e deixem os planetas felizes ao salvar cada uma das letras. Você encontra o app tanto para Android como para iOS.

Pampers Premium Care

Focado nos mais pequeninos, o Pampers Premium Care é um aplicativo para estimular os bebês a exercitarem seus sentidos na fase da descoberta das cores, dos movimentos e das palavras. Contando com 6 áreas de atividades diversas e cores bem vivas, o app realmente prende a atenção das crianças menores. Está disponível tanto para Android como para iOS.

Jogo das Palavras

Com um funcionamento extremamente didático, o Jogo das Palavras é apresentado como a forma mais divertida de aprender a ler e a escrever. No joguinho, mostra-se uma imagem, disponibilizando as letras que formam a palavra correspondente. Com isso, a criança é estimulada a organizar as letras da forma correta. No momento, o app está disponível apenas para iOS.

ABC do Bita 
Desenvolvido pela editora de conteúdo infantil digital Mr. Plot, o aplicativo em português ajuda os pequenos que estão no início da alfabetização a aprender o abecedário por meio da interação com objetos e sua letra correspondente. A criança pode, por exemplo, fazer os milhos virarem pipoca, o helicópero voar e a bola pular enquanto aprende as letras. Por meio de uma navegação intuitiva, o app também estimula o raciocínio lógico e a coordenação motora. Disponível de graça para Android, iPad e iPhone.

CPqD Primeiras Palavras 
Na medida em que interage com o aplicativo, a criança vai aprendendo o alfabeto e a formar palavras e até frases. O app oferece quatro atividades diferentes, que permitem ouvir a pronúncia de letras e palavras, completar palavras com vogais ou consoantes, ordenar as sílabas e dispor as palavras para formar uma frase. Os recursos de voz do aplicativo, que se aproximam da fala natural, são os mesmos utilizados em aplicações na área de acessibilidade. Disponível apenas na loja da Apple, a US$ 0,99.

Tracing ABC 
Disponível em inglês e em espanhol, para Android e iPhone, o aplicativo está disponível de graça em inglês e em espanhol. Por meio do aplicativo, crianças podem treinar a caligrafia de letras maiúsculas e minúsculas, números, formas e palavras completas. Apesar de não ser estar em português, o app proporciona navegação intuitiva e é dividido nos modos Easy e Hard ("fácil" e "difícil", em português). No modo difícil, se o dedo do pequeno não segue a linha exata do giz, a linha ficará vermelha.

Soletrando Lite 
Fazer compras em um supermercado virtual e, ao mesmo tempo, aprender o alfabeto é a proposta do aplicativo, que pretende atender crianças a partir dos 3 anos. Elas podem conhecer alimentos e aprender de forma lúdica como escrevê-los e soletrá-los. Na versão 1.2, o usuário pode escolher o nível de dificuldade. No grau mais difícil, as letras que compõem as palavras dos objetos não aparecem nos moldes. O app é gratuito e pode ser encontrado na iTunes Store.

Kids Alphabet Game 
O aplicativo é um jogo de quebra-cabeça que mistura peças com letras e figuras. Há um quebra-cabeça diferente para cada letra. Voltado para os pequenos que ainda não entraram na escola, mas já começam a aprender o alfabeto, o jogo ajuda a manter a concentração e a desenvolver o raciocínio lógico. Um hipopótamo também ajuda a criança a pronunciar as palavras que aprende. Disponível de graça para Android, iPhone e iPad.

Disponível em: http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Escola/noticia/2016/03/alfabetizacao-aplicativos-de-celular-e-tablets-ajudam-no-processo.htmlhttp://novosalunos.com.br/9-aplicativos-que-ajudam-na-alfabetizacao-infantil/https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/mulher/vida-de-mae/na-tela-aplicativos-facilitam-a-alfabetizacao-dos-pequenos,1c3d6e8a9d78c310VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html. Acesso em: 14/07/2017.

Imagem disponível em: https://www.ivoluntarios.org.br/pages/2611-aplicativo-de-celular-ajuda-a-denunciar-abusos-contra-criancas-e-adolescentes. Acesso em: 14/07/2017.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

QUANDO MEU/MINHA FILHO/A 
VAI LER E ESCREVER?

Resultado de imagem para leitura e escrita


"A alfabetização é como começar a andar: quando vemos um grupo de crianças andando, você não sabe quem andou primeiro. Ler é o mesmo: uns começaram em março, outros em outubro, outros em novembro. Mas quando todos leem, você não sabe quem leu primeiro!”, diz a psicopedagoga Renata Aguillar.

Quando lemos a frase da psicopedagoga, parece simples compreender o processo de alfabetização.

Sabemos que a aprendizagem é diferente para cada criança e o tempo para aquisição da leitura e da escrita não é o mesmo para todos, mas recorrentemente a angústia e/ou ansiedade dos pais se traduz na seguinte pergunta: “quando o meu filho vai ler?” Às vezes, a pergunta transforma-se em um pedido de socorro: “quero que me ajude, pois meu filho não lê e conheço alunos da sala dele que já estão lendo há dois meses! Preocupações compreensíveis e muito comuns.”

É importante que compreendam que existem cinco níveis de alfabetização e a criança está em constante evolução. Quando introduzido no mundo das letras, o aluno não estabelece vínculo entre fala e escrita. Ele usa números e letras na mesma palavra e/ou a representa através de desenhos. Posteriormente, a criança percebe que existe alguma relação entre pronúncia e a escrita, desvinculando a escrita das imagens e os números das letras. Supõe que a escrita representa a fala e, aos poucos, começa a combinar vogais e consoantes na mesma palavra, tornando a leitura sociável, como no exemplo a seguir: CAL que corresponde a CAVALO.

Um dos objetivos do 1º ano é que a criança aprenda a ler e escrever, ou seja, que alcance o nível alfabético e isso acontece quando há a compreensão do modo da construção do código da escrita. O aluno entende que existem letras e que estas representam palavras... Há as consoantes, as vogais e, quando combinadas, se transformam em palavras diferentes e as uniões dessas palavras formam uma frase.

Portanto, no 1º ano, o aluno lê e consegue representar o que leu através da escrita, mas vale ressaltar que esse é um processo construído durante todo o ano letivo.

A escrita, por sua vez, é acompanhada de omissão de vogais ou consoantes, principalmente em palavras mais complexas, como na seguinte frase: “O MENINO VIROL UM LOBO E SEUS AMIGOS SAIU CORREDO”. Percebam que a criança troca o “U” pelo “L”, não escreve o “N” na palavra correNdo e não consegue conjugar o verbo “sair” de forma correta.

A troca de letras também é comum em palavras que possuem sons parecidos, como “CAZA” (casa) e “REZOLVEU” (resolveu).

Todas as trocas e omissões de palavras são normais nessa fase e não caracterizam problema de aprendizagem. Comumente, é no 2º ano que os erros ortográficos diminuem. Diminuirão, o que não significa que desaparecerão!

Com relação ao tempo de aprendizagem de cada criança, a escola está preparada para intervir nos diferentes níveis de alfabetização. Caso seja diagnosticada alguma situação que caracterize déficit ou que precise de mais atenção, os responsáveis serão orientados.

Espero que o texto tenha esclarecido alguns pontos do processo de alfabetização.

Exponham suas dúvidas! Quanto menos ansiosos estiverem com relação ao momento em que seu (sua) filho (a) irá ler e escrever, maior será a possibilidade de serem facilitadores do processo ensino-aprendizagem.

Texto escrito pela Professora Samara Moraes - Turma: 1º ano B

Disponível em: http://altograu.blogspot.com.br/2012/02/texto-sobre-alfabetizacao-para-reuniao.html. Acesso em: 28 jun. 2017.

Imagem disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/1979/alfabetizacao-leitura-e-escrita-em-sala-multisseriada. Acesso em: 28 jun. 2017.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

UMA VEZ ALFABETIZADORA, 
SEMPRE ALFABETIZADORA...

Resultado de imagem para alfabetização

O hábito de colecionar cadernos, de ter sempre à mão um estojo com todos os materiais escolares necessários à prática corriqueira uma professora e poder emprestar a qualquer pessoa a tempo e a hora tudo aquilo que precisarem (porque você tem), continua gerando um bem estar imenso e uma sensação de que você ainda não deixou de ser professora alfabetizadora.

Ver livros infantis e materiais impressos por toda parte e ter o desejo de mostrar às crianças com as quais convive (filhos/as, vizinhos/as, sobrinhos/as) apenas para ter o gosto de perguntar: "Quem escreveu isso?", "Para quem escreveu?", "Qual é a diferença desse texto para aquele outro?". Perguntas essas que ninguém mais faria...

E presentear a todas as crianças que você conhece com um milhão de livros!!! Porque parece que "SÓ VOCÊ NO MUNDO" sabe que LER (livros) É IMPORTANTE!!!

Chegar em casa do trabalho e acompanhar os/as filhos/as nas tarefas escolares (ou deveres de casa) e não achar "o máximo" eles/as ficarem copiando "as famílias silábicas" todo dia. E pior: seguindo a ordem alfabética, apenas "pulando" as vogais, sem nenhuma reflexão fonológica.

Perceber que sua capacidade de dar carinho transcende a relação afetiva entre mãe e filhos/as, mas implica em doar afeto a praticamente todas as crianças com as quais você encontrar ou que cruzarem o seu caminho (sejam elas seus/suas alunos/as ou não). Isso é ótimo! Aumenta a nossa potência de vida!

Poder rever, pelas redes sociais, colegas de trabalho que continuam realizando suas tarefas como alfabetizadoras e poder sentir-se um pouco parte do que elas/es realizam, já que um dia fez exatamente parte disso que estão realizando agora. Ver (Curtir) suas experiências acaba sendo um modo de vivenciá-las também!

Ser alfabetizadora não é, pois, apenas ensinar crianças a ler e a escrever objetivamente. É um modo de colocar-se no mundo em relação às crianças, aos adultos e a nós mesmas/os. Um brinde a nós que fomos, somos e seremos eternamente alfabetizadoras!

Disponível em: http://blog.maxieduca.com.br/educador-alfabetizacao-letramento/. Acesso em: 22. jun. 2017.


quarta-feira, 21 de junho de 2017

HISTÓRIAS DE PROFESSORAS ALFABETIZADORAS PARTICIPANTES DO PNAIC

Resultado de imagem para pnaic

Esta é uma pesquisa realizada com vinte e uma Orientadoras de Estudos integrantes do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), no Polo Santa Rosa, coordenado pela Universidade Federal de Santa Maria, na parte norte do estado do Rio Grande do Sul. O PNAIC é um programa federal que propõe uma mudança de paradigma na concepção de alfabetização, inovando-a nas instituições públicas de ensino fundamental, como um ciclo alfabetizador. A federação organizou materiais teóricos para serem estudados pelos professores e subsidiou as escolas com excelentes materiais em literatura infantil, jogos e livros paradidáticos. Os próprios professores manifestam que nunca tiveram tantos recursos nas escolas, inclusive, tecnológicos. No ano passado, o foco foi no letramento e na língua materna; este ano, o foco é na linguagem matemática.

Para o bom entendimento desses materiais e a inovação pedagógica nas salas de aula, é que se realizam as formações do PNAIC. A estrutura é composta por uma Coordenação Geral de Linguagem e outra de Matemática; uma Equipe Técnica, responsável pela gestão do Programa; os Formadores, incumbidos dos estudos de todo o Programa; os Orientadores de Estudos, professores envolvidos com a alfabetização em seus municípios, responsáveis por multiplicar a formação que recebem nos encontros; e os professores alfabetizadores, que atuam nos três primeiros anos do Ensino Fundamental em seus municípios. São mais de vinte mil professores envolvidos no Programa apenas nessa fatia coordenada pela UFSM, aqui no Rio Grande do Sul.

Reescrever-se para autoformar-se Na tentativa de expandir os horizontes dessa pesquisa, optamos por compor um trabalho alfabetizador em uma proposta de Letramento, visto que a leitura e a escrita são invenções sociais capazes de transformar a cultura de um lugar, e o conhecimento não é algo acabado, mas uma construção que se faz e refaz nas práticas cotidianas. Por meio do método biográfico, através da escuta sensível das histórias orais e narrativas, pois o mesmo propicia analisar e esclarecer as relações coletivas que se estabelecem entre o sujeito de determinados grupos e contextos, investigando as transformações que acontecem com o sujeito e, ao mesmo tempo, com seu cotidiano alfabetizador, é possível descobrir que textos formadores podem ser elaborados nesse contexto, construído pelas histórias de vida dessas professoras. É o próprio sujeito investigado o ponto de intersecção das relações entre o que é externo a ele e o que carrega em seu íntimo. Autobiografias e biografias configuram-se, cada vez mais, como férteis espaços de conhecimento da pesquisa em Educação, colaborando para a qualificação profissional e a formação de professores. Dessa forma, propomos o entrelaçamento da minha própria história com a dessas professoras, pois, ao compartilharmos os momentos formadores, vamos transformando-nos pela ação do outro, até que não sejamos mais nós mesmas sem que possamos perceber o outro em nós.

O Diário de Bordo como estratégia autoavaliadora em processos de autoformação Escrever não é tarefa fácil, mas acreditamos que seja a melhor forma de refletirmos sobre o que aprendemos no nosso cotidiano e elaborarmos nossas aprendizagens. Associamos o trabalho desenvolvido na minha própria formação escolar e acadêmica, e como formadora de professores, com a escrita de si em Diários de Bordo. Uma estratégia para potencializar a reflexão sobre as aprendizagens pessoais, e suas (trans)formações, o que foi fazendo com que, juntamente com o meu grupo de trabalho, o GT 12, também refletisse em relação a minha própria formação e a sua compreensão. Fomos desenvolvendo o PNAIC em formação compartilhada, colocando-nos no lugar de alunas e reconhecendo que aprendemos sempre, mas somente temos certeza de que nos transformamos, quando mudamos para modificar nossas práticas pedagógicas. Memória é produção, conservação e evocação de informações e/ou conhecimentos elaborados a partir da própria experiência pessoal. À produção de memórias também podemos chamar por aprendizado. Memórias apenas adquirem sentido quando são evocadas, isto é, acessadas para serem utilizadas em ações no presente. Memória é vida fluída, é mundo vivido inventado no cotidiano.

Nossa maneira de agir, pensar, planejar, de realizar e de sentir relacionase, estreitamente, com aquilo que lembramos, pois aquilo que lembramos é aquilo que sabemos. O que não aprendemos, ou o que, por algum motivo, tenha ficado esquecido, não faz mais parte de nós, não nos pertence mais, não nos é identitário. A identidade de cada um vai se formando de jeitos, trejeitos e trajetos diferentes porque cada um tem sua própria história construída pelo que é vivido cotidianamente e pela forma como é lembrado, ou esquecido, pelos sujeitos. Somos aquilo de que nos lembramos porque também decidimos o que queremos esquecer. Somos nossas memórias. Somos o que conseguimos aprender nas diferentes formas que percebemos e nos relacionamos com o mundo, inventando e reinventando nosso cotidiano. Como diz Norberto Bobbio: “Somos aquilo de que nos lembramos” (1997, p. 30). Eu diria: Somos o encontro daquilo que lembramos com o que decidimos esquecer. 

O Diário de Bordo é uma pertinente forma de registro e (auto)reflexão que permite aos sujeitos reelaborarem-se em contínua (auto)formação, concebida como uma estratégia de interação com o mundo real, que possibilita a análise das aprendizagens cotidianas. É possível vislumbrar a memória (auto)biográfica cumprindo um determinado propósito nas nossas interações com o mundo e consequentes relações com os saberes estabelecendo-se como uma metodologia de pesquisa. Uma pesquisa sobre nós mesmos, investigando que possibilidades de aprendizagens temos construído para nós e que significações o cotidiano e as relações intrínsecas a ele vão proporcionando à formação dos sujeitos. As reflexões sobre si, buscando compreensão das dinâmicas e significações elaboradas pelas histórias de vida no cotidiano, permitem a transformação das pessoas em atores biográficos (JOSSO, 2010).

A ideia de atores biográficos parte da concepção de que, embora as pessoas estejam inseridas em um determinado contexto sociocultural, podem protagonizar suas histórias de vida inventando-se no seu cotidiano. Caminhar para si (JOSSO, 2010) permite um duplo movimento de consciência que relaciona e envolve o que é presente pelo que foi vivido no passado e que projeta perspectivas de futuro por aquilo que virá a ser. “Esse olhar retrospectivo e prospectivo estimula a reflexão sobre a responsabilidade do sujeito sobre seu vir a ser e sobre as significações que ele cria.” (JOSSO, 2010, p. 189) Construir um Diário de Bordo é transformar vozes em palavras escritas que possibilitam aos sujeitos compreenderem suas diferentes formas de aprender a aprender. Pensando dessa forma, colocamo-nos não como professoras, mas como alunas em permanente aprendizagens de si e do mundo.

Entendida como uma metodologia que favorece as relações entre memória e história, a (auto)biografia inter-relaciona-se com a história do tempo em tríade, passado, presente e futuro, isto é, de um tempo que não é apenas recorte, mas movimento. E, por estar em movimento, elabora mais uma dimensão, a das relações entre os três tempos que conseguimos captar quando escrevemos. Possibilita aos pesquisadores captar o que não está explícito, talvez mesmo, o indizível que, recolhido na memória e na sensibilidade dos sujeitos, expande possibilidades da compreensão do real. Assim, tornamo-nos pesquisadores de nós mesmos e protagonistas da nossa formação, viabilizando as transformações metodológicas e pedagógicas que sejam necessárias à alfabetização de todas as crianças até os oito anos de idade.

Vivenciar a história do tempo/movimento permite que se perceba com clareza a articulação entre as percepções e as representações dos atores biográficos e as determinações e interdependências que tecem as relações sociais e as transformações culturais. Que transformações seriam pertinentes na prática de uma avaliação (auto)formadora?

Escrever o cotidiano tempo/movimento através das narrativas de si em um Diário de Bordo auxilia a compreender as transformações que vamos vivenciando a partir de nossas formações, realizando uma autoformação. É preciso aguçar a percepção para envolver-se em escritas de si, demonstrando que as diferentes maneiras de fazer o/no cotidiano é sempre resultado de uma elaboração que compreende tempo/movimento, ou seja, conforme a visão de Freire (1997), a história sempre será uma contínua construção de nós mesmos e nós, seres inacabados: 

No Magistério, lembro de algumas professoras perguntando se tínhamos certeza que queríamos ser professoras e expunham os muitos problemas da profissão Mas o brilho que elas traziam no olhar, o desafio que se impunham na entonação, o orgulho, visível na postura ... Não tínhamos como desistir. Queríamos ser professoras. Fiz meu Magistério nos anos finais da década de 70. Às vezes, ao fundo da sala de aula de determinadas professoras, um homem de preto sentava-se. Olhávamos enfileiradas, muitas vezes de revesgueio, como se nossas nucas estivessem sendo perfuradas por um raio incisivo vindo de um olho superpoderoso. Mas não éramos seu interesse prioritário. Hoje compreendo melhor essa tirania, o que me fez diferente. (Fragmentos do Diário de Bordo da autora, 2013).

(Auto)biografia é um método de pesquisa que pode ser utilizado em Educação, na própria avaliação, o que propicia analisar, esclarecer e compreender as relações coletivas que promovem determinadas aprendizagens e desvelar formas de pensamento que sejam promotoras de diferentes formas de aprender, estabelecendo relações entre os sujeitos de determinados grupos e contextos, e sendo o ponto de intersecção das relações entre o que é externo ao sujeito e o que ele carrega em seu íntimo, isto é, quais suas possibilidades de aprendizagens e quais inéditos lhe são viáveis (FREIRE, 1997). Da mesma forma, (auto) biografias configuram-se, cada vez mais, como férteis espaços de conhecimento da problemática em investigação e da consequente avaliação como apreciação, sem mensurar valores, comportamentos e saberes. Investigamos a nós para construirmos possibilidades a partir do compartir com o outro. Somos seres inacabados em sujeitos inéditos viáveis (FREIRE, 1997).

O que faz possível utilizar a (auto)biografia como metodologia de avaliação e de transformação é a fundamentação da sua análise. No caso, as percepções dos seus autores em relação aos seus saberes e fazeres pedagógicos e sua aprendizagem. É conseguir transformá-los em texto (conhecimento) e, assim, promover com que o próprio autor se perceba como potencial ator da dinamização das possibilidades de aprendizagens.

Embora pensem em como o aluno aprende, os professores preocupam-se com o que querem que o aluno aprenda. E, às vezes, inventar-se torna-se tarefa impossível. Não há inovações, apenas permitem-se retocar seu fazer pedagógico com as nuances das propostas e metodologias da época, sem favorecer com que os alunos protagonizem seus conhecimentos e sua própria formação. Sem criatividade. Sem saberes inovadores. Buscar novos métodos e novas teorias não se tem mostrado suficiente, muito menos eficiente, para alterar a prática da sala de aula, seja ela em qualquer nível ou modalidade de ensino.

Descobrimos que a escola (a Academia por extensão) não nos constitui naquilo que somos, mas naquilo que nos possibilitou ser, redescobrindo o universo da pesquisa em educação e, consequentemente, a compreensão das maneiras de fazer no meu cotidiano de professora/formadora/pesquisadora. Descobrimos que um trabalho articulado e realizado em diferentes práticas pedagógicas e narrativas possibilita a criação de um ambiente de aprendizagens favorável à nossa (auto)formação. Compreendemos também em processo de formação que está intrinsecamente relacionado à formação das alunas, colocando-nos no lugar de aluna e aprendendo com as narrativas delas. O que colaborou para essas reflexões e transformação das práticas pedagógicas foi a utilização do Diário de Bordo como estratégia (auto)formadora.

Em um Diário de Bordo é possível registrar nossas relações com o cotidiano e seus saberes em diferentes gêneros textuais. Quando escrevemos, estamos reelaborando o conhecimento do mundo e nossas sensações e sentimentos compartilhados nele, expressando-o de diferentes jeitos. Dessa forma, fomos teorizando a prática como formadora de professores e compreendendo essa maneira diferente de transformar-se, preocupada com a formação do sujeito aprendente, sua interação com o conhecimento, suas possibilidades de aprendizagens, suas emoções, enfim, com sua (auto)formação.

O Diário de Bordo apresenta um potencial interativo porque permite a elaboração e a edição de suas informações em diferentes gêneros textuais, bem como a inserção de imagens, ou mesmo objetos significantes e significativos. Dessa forma, promove a interação e o compartilhamento de conhecimentos, emoções, sensações e impressões. Um Diário de Bordo anuncia em si não apenas a identidade do aprendiz, mas as maneiras de fazer cotidianas, que compõem o sujeito e estão expressas a partir da elaboração cuidadosa do que se quer dizer. Não apresenta apenas os conceitos de um objeto em estudo, mas dos significados do conhecimento elaborado a partir do que se sabe e do que se vive, que vão sendo construídos nas e pelas consequentes relações com o cotidiano.

É uma forma de mediação do processo reflexivo das ações e sobre as ações em determinados cenários ou contextos. Expõe as reflexões do autor/aluno a partir do diálogo interior, oferecendo informações pertinentes aos processos de aprendizagens e de socialização no ambiente escolar e fora dele. É a fundamentação de um instrumento de autoavaliação, proporcionando ao autor/ aluno a reflexão sobre as informações que ele mesmo produziu a partir das relações com os saberes em questão. É uma estratégia ousada para fundamentar a avaliação em (auto)avaliações e, consequentemente, em (auto)formação.

O Diário de Bordo apresenta elementos referentes aos processos de aprendizagens, mas também aponta para a qualidade desse processo e dos conhecimentos que estão sendo construídos como constitutivos da formação pessoal. Evidencia o autor como um todo, protagonista das próprias aprendizagens. Rompe com a ideia de linearidade hierárquica, onde o saber é privilégio do formador, apresentando uma participação ativa do aluno/ professor/pesquisador nos processos de aprendizagens. Permite a exploração de alternativas referentes ao ambiente e aos conhecimentos, ao tempo e ao movimento favoráveis para a realização de inferências sobre as relações entre os diferentes saberes e os diferentes sujeitos, estabelecendo similaridades entre ideários, facilitando descobertas de princípios, conceitos ou relações. Conforme as professoras vão escrevendo sobre si e suas relações com o conhecimento, rompem com a lógica linear, conteudista e estática do currículo tradicional, percebendo o conhecimento em diferentes vivências prazerosas.

Quando trabalhamos com o Diário de Bordo, pressupomos a existência de um currículo espiralado, que possibilita ao aluno/autor/professor perceber o mesmo conhecimento sob diferentes aspectos, níveis de aprofundamento e formas de representação. Rompe com as ideias de estruturação, transversalidade e linearidade do currículo para percebê-lo vivo dinâmico e relacional.

Penso no Diário de Bordo como uma estratégia de (auto)aprendizagem (o que também pressupõe ensinagem) desafiadora, onde, a partir das suas percepções e narrativas, bem como da perspectiva da forma de organizá-las, o aluno/autor/ professor aprende solucionando problemas através do desenvolvimento do pensamento matemático, ao desafiar-se a compreender o mundo e suas relações. Conforme o aluno/autor/professor vai elaborando o Diário de Bordo, também vai atribuindo sentido ao que faz a partir da compreensão de si em relação com o mundo (conhecimento). Constrói sua identidade ao observar-se e narrar-se nessa relação com o mundo e que constitui as maneiras de fazer inventivas do cotidiano (Certeau, 2012). Uma forma de (re)avaliar-se em movimento (auto)reflexivo que possibilita a criação de condições para que a aprendizagem se efetive.

Voltar-se sobre si, em movimentos de autoconhecimento, é narrar o indizível, o invisível aos outros que, imperceptível em um primeiro momento, transborda o conhecimento construído pelo cotidiano nas relações das próprias histórias de vida. Escrever uma Tese é também (re)escrever-se, pensando-se, dizendo-se e (re)inventando-se no cotidiano investigativo. (Fragmento do Diário de Bordo da autora, 2013).

Escrevendo no Diário de Bordo narrativas de si, tornamo-nos protagonistas da nossa formação, o que é atraente na perspectiva da forma metodológica de operacionalizar as transformações que promovemos ao longo da vida escolar nossa e dos nossos alunos. O fato de poder lidar com as possibilidades dos sujeitos e a imprevisibilidade das aprendizagens favorecem a intenção pedagógica do professor.

Através dos Diários de Bordo e da reflexão realizada para compô-los, fui elucidando elementos pertinentes às minhas aprendizagens protagonizando-as em um tempo próprio e singular, articulador do movimento histórico constitutivo dos sujeitos. Existem momentos de socialização dos Diários de Bordo, quando a turma objetiva compreender e envolver-se com as aprendizagens de cada aluno/autor. A partir das narrativas de cada um, relacionamos as diferentes formas expressivas pessoais com estudos e articulamos diferentes momentos de aprendizagens constitutivos dos sujeitos em formação.

Oliveira (2009) diz que ensinar não basta, é preciso proporcionar aos alunos que vivenciem diferentes estratégias de ensino aprendizagem em situações de vivência e colaboração na construção dos conhecimentos que cada um busca para si. As aulas, a orientação afetuosa dos professores, o sentimento de grupo, a clareza dos inéditos viáveis e a compreensão dos processos de pensamento pertinentes às diferentes aprendizagens são fundamentais para que se possibilitem as transformações pertinentes à (auto)formação.

É necessário estabelecer uma dialogicidade entre o lugar e entre os sujeitos, definindo que relações afetivas e cognitivas serão estruturadas e valorizadas. Forma-se um entrelugar de cultura de aprendizagens que em linguagens, muitas vezes silenciosas, definem-se pelas práticas cotidianas de aprender e suas maneiras de fazer (CERTEAU, 2012), registrando, mais do que anotações da aula, as reflexões sobre o que, como e por que se está fazendo/aprendendo.

Falar sobre o cotidiano e escrever-se em Diário de Bordo é dizer-se em diferentes “maneiras de fazer” com que as possibilidades sejam inventadas pelo que se vai pensando e sobre o que se vai fazendo em ações articuladas pela convivência afetuosa com os outros. Mais do que o lugar e o tempo em que se está, são as relações entre os sujeitos, entre esse lugar e os tempos vividos, que compõem uma cultura inventiva do cotidiano. Registrar as compreensões dessas relações é escrever-se, em ação presente, em (auto)formação.

De qual avaliação estou falando: avaliação (auto)formadora Uma Avaliação (Auto)Formadora

 Uma Avaliação (Auto)Formadora pressupõe estratégias de registro de aprendizagem (e de ensinagem) que sejam essencialmente narrativas, assim como o Diário de Bordo. A partir da pesquisa realizada com professoras alfabetizadoras e baseada em teóricos como Perrenoud (1999), que apresenta a necessidade de uma avaliação formadora e reguladora do aprender e do ensinar; Abrahão (2006, 2008), Passeggi (2008) e Souza (2008, 2011), que apresentam a importância das narrativas pessoais para a autoformação e consequente formação humana; e Arroyo (2004), que prioriza a superação dos paradigmas escolares a partir das trajetórias pessoais de alunos e mestres e por todas as informações aqui expostas; minha proposta é conceber a avaliação escolar como auto)formadora, pois entendemos que essa dimensão possibilita-se a partir do princípio da narrativa em ações criativas do dizer-se. Mudando o paradigm da avaliação, conseguimos transformar nossas práticas pedagógicas, pois transformamos a nós mesmos. O professor necessita colocar-se no lugar de aluno, pois ensinar e aprender são um binômio indissolúvel: quem ensina tem que estar aprendendo e quem aprende, ao aprender, está ensinando. Avaliar, para poder transformar, tem que redimensionar-se em (auto)avaliação de todos os envolvidos no processo de alfabetização, inclusive de formação de professores.

Propomos a ruptura com o senso comum naturalizado nos espaços e tempos escolares, de uma avaliação hierarquizada pautada em aptidões. Dificilmente, quando realiza a avaliação dos seus alunos, o professor avalia ao seu trabalho. Pensa em processos, mas esquece que processos são efetivados a partir de relações que acontecem no presente e que constroem possibilidades. Dificilmente, ao avaliar, o professor age de forma processual e, muito menos, estabelece suas práticas pedagógicas com a compreensão de que a aprendizagem é um processo. Se a aprendizagem é um processo, a ensinagem também é. Assim como formar-se e transformar-se permanentemente.

Expondo em diferentes formas narrativas as reflexões do autor/autor/ professor, o Diário de Bordo oferece informações pertinentes aos processos de aprendizagens e de socialização no ambiente escolar, tanto para o aluno, como para o professor. É a base de um instrumento de (auto)avaliação proporcionando ao autor a reflexão sobre as informações que ele mesmo produziu, tanto referente aos processos de aprendizagens, como da qualidade desse processo e dos conhecimentos que estão sendo construídos como elementos de formação pessoal.

O Diário de Bordo evidencia o aluno/autor/professor como um todo, protagonista das próprias aprendizagens. Rompe com a ideia de linearidade hierárquica, apresentando uma participação ativa do aluno/autor/professor nos processos de aprendizagens. Permite a exploração de alternativas (ambiente e conhecimentos) favoráveis para a realização de inferências sobre as relações entre os diferentes saberes, e de estabelecer similaridades entre ideários, facilitando descobertas de princípios, conceitos ou relações. Conforme escrevem sobre si e suas relações com o conhecimento, os autores rompem com a lógica linear, conteudista e estática do currículo tradicional, percebendo o conhecimento em diferentes vivências.

Utilizar a (auto)biografia como metodologia e empregar o Diário de Bordo como uma estratégia do aprender e do ensinar, do (auto)formar-se, pressupõe um currículo espiralado, que possibilita aos envolvidos no processo educativo perceber o mesmo conhecimento sob diferentes aspectos, níveis de aprofundamento e formas de representação. Escrever-se em Diários de Bordo é romper com as ideias de estruturação, transversalidade e linearidade do currículo para percebê-lo vivo, dinâmico e relacional. Assim como rompe com a ideia de separar a aprendizagem e a ensinagem, amalgamando os dois processos nas narrativas que se fazem formadoras dos sujeitos e dos saberes.

Não penso mais nas letras, mas em dizer-me, pois sou fruto do meu desassossego que me delineia em experiências de amizades expressas em linguagens e corporeidades. Como assim? Se nesse movimento o outro sou eu? (Fragmentos, do Diário de Bordo da autora, 2013).

O Diário de Bordo é uma estratégia de (auto)aprendizagem (o que também pressupõe ensinagem) desafiadora, onde, a partir das suas percepções e narrativas, bem como da perspectiva da forma de organizá-las, o aluno/autor/ escritor e o professor aprendem solucionando problemas e desafiando a si mesmos a compreender o mundo e suas relações.

Voltar-se sobre si, em movimentos de autoconhecimento é narrar o indizível, o invisível aos outros que, imperceptível em um primeiro momento, transborda o conhecimento construído pelo cotidiano nas relações das próprias histórias de vida. Escrever em Diários de Bordo é também (re)escrever-se, pensando-se, dizendo-se e (re)inventando-se no cotidiano investigativo. (Fragmento do Diário de Bordo da autora, 2013).

Escrevendo, no Diário de Bordo, narrativas de si, os sujeitos tornam-se protagonistas da sua formação, seja ela em que nível ou modalidade de ensino for. Para finalizar, concluímos o trabalho desenvolvendo uma tese embasada no conceito de território, utilizado por Milton Santos, que refletirá na criação de duas fundamentações filosóficas e pedagógicas: a construção da cultura da professoralidade e a produção da ambiência comunicativa. Mas isso é assunto para outro texto.


REFERÊNCIA: D`ANDREA, Crystina Di Santo; ANTUNES, Helenise Sangoi. Fazendo a diferença: Histórias de professoras alfabetizadoras participantes do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Revista Brasileira de Alfabetização - ABAlf, v. 1, n. 3, p. 28-39, jan.-jul., 2016. Disponível em: file:///C:/Users/Gabriel%20Duarte/Downloads/112-205-1-SM.pdf. Acesso em: 21 jun. 2017.

Imagem disponível em: http://escolajoseedson.com.br/5o-encontro-do-pnaic/. Acesso em: 21 jun. 2017.