quarta-feira, 23 de março de 2016

OBESIDADE INFANTIL E ESCOLA

     

A obesidade infantil é um problema de saúde cada vez mais frequente nos consultórios pediátricos e é uma patologia que pode ocasionar graves problemas de saúde no futuro. A criança obesa deve ser submetida a exame físico completo e a exames complementares para determinar possíveis causas da obesidade além dos hábitos alimentares errados.
Nesse contexto, a escola tem um papel fundamental para evitar a obesidade e pais e mães devem fiscalizar o que é oferecido a seus filhos em termos de alimentação no período escolar. Além disso, os pais também devem observar qual a filosofia e a conduta da escola diante do assunto. Se existe controle de alimentos, presença de nutricionista dentre outras ações.

O mais importante: a prevenção

A prevenção da obesidade já começa durante a gestação, com a mãe adotando uma alimentação saudável, balanceada e que não comprometa a saúde de nenhum dos dois.
Após o nascimento e durante os seis primeiros meses de vida, o bebê precisa somente do leite materno e mai nada. Tudo que ele precisa para um desenvolvimento sadio será suprido pelo leite materno.
A partir dos seis meses, além do leite materno, a criança começa a receber sucos, frutas e sopinhas.
O leite materno é importante na prevenção da obesidade e segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), deve ser mantido, pelo menos até os dois primeiros anos de vida.

O exemplo dos adultos

ALIMENTAÇÃO E OBESIDADE
Hoje em dia, muitos pediatras não conseguem orientar adequadamente os pais de seus pacientes, pois estes pais já tem hábitos alimentares pouco saudáveis, já fazem parte da geração fast food.

O ideal é que no dia a dia, os pais estimulem seus filhos a adotar hábitos alimentares mais saudáveis dando o exemplo.
Os cuidados na alimentação devem continuar durante o crescimento da criança. É importante que toda a família se alimente adequadamente.
A criança deve comer o que os pais comem. A criança observa o comportamento dos adultos, principalmente dos pais: não adianta explicar para a criança que alimentos gordurosos e doces fazem mal à saúde se pai e mãe ingerem muita gordura e doces. É a mesma situação de um pai fumante que fala para o filho que o cigarro é prejudicial à saúde e que ele não deve fumar.
A OMS alerta que, se os pais dessas crianças e adolescentes não mudarem agora os hábitos de vida dos filhos, mais de 70% deles farão parte de uma geração de obesos, muito mais sujeitos a doenças como hipertensão, diabetes e doenças do coração.

O lanche na Escola

Na maioria das vezes o problema da alimentação pouco saudável também está nas escolas. Raramente as cantinas estão preocupadas com uma alimentação saudável para as crianças. Querem vender exatamente o que a criança mais quer consumir: salgadinhos, doces, frituras, refrigerantes.
MERENDA ESCOLAR
Muitas vezes, pais e escola não sabem o que servir às crianças no horário da merenda. Existem muitas opções de alimentos fáceis de serem transportados, armazenados e de boa aceitação, mas nem sempre são os mais adequados para atender às necessidades nutricionais das crianças.

Para as crianças menores, uma refeição simples, como o lanche da manhã ou da tarde, tem grande importância nutricional. Nesses horários geralmente a criança tem mais fome. É importante que a qualidade dos alimentos oferecidos nesses pequenos lanches, incluindo a merenda escolar seja de bom valor nutricional, mas de uma forma que não comprometa o apetite da criança nas refeições posteriores.
Se a merenda for muito calórica, por exemplo, frituras, alimentos açucarados, refrigerantes, chocolates, etc., a criança provavelmente não aceitará a refeição seguinte (almoço ou jantar), o que acabará prejudicando a sua nutrição.
A obesidade infantil está diretamente relacionada ao alto consumo dos alimentos como lanches (batata frita, hambúrguer, refrigerantes, doces) e baixo consumo das refeições principais (arroz, feijão, legumes e verduras).

Preparo adequado de uma merenda escolar

Higiene adequada no manuseio e conservação dos alimentos;
Incluir proteínas no cardápio seja na forma de carne, leite e derivados, ovos ou outras formas como: tortas salgadas recheadas com carne ou frango, assados do tipo pastéis com recheio de queijo ou carne, sanduíches de carne ou mesmo embutidos de carne e queijo;
Caso as condições de estocagem não sejam as ideais, é melhor elaborar lanches que possam ficar à temperatura ambiente sem o risco de estragarem. Pode-se optar pelos sucos ou produtos à base de leite como vitaminas ou achocolatados em embalagens tipo longa vida;
Evitar os alimentos excessivamente salgados, gordurosos ou doces. Estão incluídos os famosos salgadinhos que em geral contém muito sal e muita gordura. Os biscoitos recheados têm, além de altas taxas de gordura, açúcar em excesso. O consumo constante desses produtos pode levar a problemas de saúde precocemente principalmente se a criança já tiver uma predisposição hereditária (problemas de colesterol, diabetes, doenças do coração, hipertensão e obesidade);
As cantinas das escolas deveriam ser uma boa alternativa para o preparo de alimentos saudáveis, frescos e de bom valor nutricional, e não estarem preocupadas apenas em vender mais e a atender o paladar das crianças. Os pais devem estar atentos e exigirem essa postura dos responsáveis pelas escolas.

Estudos e Pesquisas sobre Obesidade Infantil

Pesquisadores da Universidade de Indiana acompanharam por 18 meses alunos de escolas americanas que participam de um programa para evitar a obesidade infantil e concluíram que o consumo de refrigerantes, a frequência das refeições e quantidade de tempo em frente da TV ou de computadores influenciam no peso dos alunos. De acordo com o estudo, a escola tem um papel decisivo para evitar a obesidade entre crianças e adolescentes. "As escolas e as famílias podem ser capazes de conseguir concentrar-se nesses fatores de risco modificáveis, diminuindo o fardo da obesidade infantil", disse Dong-Chul Seo, professor adjunto na Escola de Saúde Pública UI-Bloomington. Segundo ele, uma das principais iniciativas para ajudar a garantir um peso saudável é a prática de esportes dentro das escolas, evitando que as crianças fiquem por muito tempo sentadas em frente ao computador ou à TV. O programa implementado pelas escolas dos estados de Illinois, Indiana e Kentucky tem como finalidade estimular a educação física, controlar a alimentação oferecida - sem ingestão de refrigerantes e alimentos gordurosos - com novos programas nutricionais, além de envolver os funcionários e a comunidade escolar na redução dos fatores de risco para a obesidade. De acordo com os pesquisadores que acompanharam o programa, foi possível observar resultados concretos em 18 meses. "Incentivar os alunos a manter um padrão regular de alimentação, com ao menos três refeições diárias, parece ser uma boa estratégia para ajudar os alunos a alcançar o peso saudável", disse Seo, que apoia a decisão polêmica, tomada em Nova York, de proibir o consumo de refrigerante nas escolas. Segundo ele, os resultados comprovam o impacto dos refrigerantes para o aumento do peso em crianças.
Sugestões de Leitura sobre a Obesidade Infantil
  • ALVES, J. G. B. Atividade física em crianças: promovendo a saúde do adulto. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Recife, v.3, n. 1, p. 5-6, 2003.
  • BARKER JL, OLSEN LW, SORENSEN TI. Childhood body mass index and risk of coronary heart disease in adulthood. N Engl J Med.n.357, p. 2329-37, 2007.
  • BARUKI, S. B. S.; ROSADO, L. E. F. P. L.; ROSADO, G. P.; RIBEIRO, R. C. L. Associação entre estado nutricional e atividade física em escolares da Rede Municipal de Ensino em Corumbá-MS. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v.12, n 2, Niterói, mar./abr, 2006.
  • BRACCO, M. M; FERREIRA, M. B. R.; MORCILLO, A. M.; COLUGNATI, F.; JENOVESI, J. Gasto energético entre crianças de escola pública obesas e não obesas. Revista Brasileira de Ciências e Movimento,Brasília, DF, v. 10 n. 3, p. 29-35, 2002.
  • BECK, C. C.; DINIZ, I. M.S.; GOMES, M. A.; PETROSKI, E.L. Ficha antropométrica na escola: O que medir e para que medir? Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. p. 107-114, 2007.
  • BERNARDES, A.C.; PIMENTA, L.P.; CAPUTO, M.E. Obesidade infantil: correlação colesterol e relação cintura-quadril. Juiz de Fora. Artigo de Pesquisa – Universidade Gama Filho, 2002. Disponível em: http://www.revistadigitalvidaesaude.hpg.com.br/artv2n2_03.pdf.
  • BUENO, M. B.; FISBERG, R.M.; Comparação de três critérios de classificação de sobrepeso e obesidade entre pré-escolares. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Recife: Vol.6 n. 4, 2006.
  • CALIANI, K. G. M. S. Fatores sócio-econômicos e comportamentais associados à adiposidade de adultos. Dissertação (mestrado). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina de Botucatu, 2009.
  • CELANTE, A. R. Educação física no ensino médio: por uma pedagogia transformadora. Corpo e Consciência. Santo André, 1º semestre, p: 41-59, 2001.
  • DÂMASO, A. Nutrição e exercício na prevenção de doenças. Ed. Medsi. Rio de Janeiro. 2001.
  • DAOLIO, J. Educação física escolar: em busca da pluralidade. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo: supl. 2, p: 40-42, 1996.
  • ESCALANTE, Y; SAAVEDRA, J.M.; GARCIA-HERMOSO, A; DOMINGUEZ, A.M. Melhora dos parâmetros cineantropométricos em crianças com obesidade. Fit Perf Journal. v.8, n. 2, mar-abr, p. 123-129, 2009.
  • FREIRE, E. S.; OLIVEIRA, J. G. M. Educação Física e conhecimento escolar: uma revisão de literatura. Rev. Min. Educ. Física. Viçosa, v.7, n. 1, p. 82-98, 1999.
  • GIUGLIANO, R.; CARNEIRO C.E.; Fatores associados à obesidade em escolares. Jornal de Pediatria, v. 80, n. 1, p. 17-22, 2004.
  • GUIMARÃES, G.A.; PELLINI, C. F.; ARAÚJO, R. S. J. Educação Física Escolar: Atitudes e Valores. Revista Motriz, v. 7, n. 1, Jan/Jun, p. 17-22, 2001.
  • HERNANDES, F.; VALENTINI, M. P. Obesidade: causas e conseqüências em crianças e adolescentes. Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. Campinas. v. 8; n. 3; p. 47-63, set/dez, 2010.
  • IMPOLCETTO, F.M.; Di THOMAZZO, A.; BONFÁ, A.C.; BARROS, A.M.; SÁ, C.S.; BROUCO, G.R.; RODRIGUES, H.; TERRA, J.; IÓRIO, L.S.; VENÂNCIO, L.; ROSÁRIO, L.F.; JUNIOR, O.S.; GASPARI, T.; BATTISTUZZI, V.M.; DARIDO, S.C. Educação Física no ensino fundamental e médio: a sistematização dos conteúdos na perspectiva de docentes universitários. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. v. 6, n. 1, p. 89-109, 2007.
  • LOPES, P. C. R.; PRADO, S. R. A.; COLOMBO, P. Fatores de risco associados à obesidade e sobrepeso em crianças em idade escolar. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 63 n. 1 Brasília, jan/fev, 2010.
  • LOVISOLO, H. Da educação física escolar: intelecto, emoção e corpo. Rev. Motriz. Rio Claro: v. 8, n. 3, set-dez, p: 15-18, 2002.
  • MAITINO, E. M. Aspectos de risco coronariano em causuística de crianças de escola pública de primeiro grau em Bauru, SP. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Londrina, v. 2, p. 37-52. 1997.
  • MARCONI, M. A.; LAKATOS, E.M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 1986.
  • MARQUES, A.T.; GAYA, A. Atividade física, aptidão física, e educação para a saúde: estudos na área pedagógica em Portugal e no Brasil. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo: v.13, n.1, jan-jun, p. 83-102, 1999.
  • MELLO, E. D.; LUFT, V. C.; MEYER F.; Obesidade Infantil: como podemos ser eficazes? Jornal de Pediatria. v.80, n.1, p. 173-182, 2004.
  • NAHAS, M.V.; CORBIN, C.B. Aptidão física e saúde nos programas de educação física: desenvolvimentos recentes e tendências internacionais. Rev. Bras. Ciência e Movimento. v.6, n. 2, abr, p. 47-58, 1992.
  • OLIVEIRA, C. L.; FISBERG, M. Obesidade na infância e adolescência – uma verdadeira epidemia. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. vol. 47, n. 2, São Paulo, Abr, 2003.
  • PIERINE, D. T.; CARRASCOSA, A. P. M.; FORNAZARI, A.C.; WATANABE, M. T.; CATALANI, M. C. T.; FUKUJU, M. M.; SILVA, G. N.; MAESTÁ, N. Composição corporal, atividade física e consumo alimentar de alunos do ensino fundamental e médio. Rev. Motriz, Rio Claro: v 12, n. 2, mar-ago, p. 113-124, 2006.
  • RONQUE, E. R.; GUARIGLIA, D. A.; CYRINO, E. S.; CARVALHO, F. O.; AVELAR, A.; ARRUDA, M. Composição corporal em crianças de sete a 10 anos de idade, de alto nível socioeconômico. Revista Brasileira de Medicina do esporte, São Paulo: Sociedade Brasileira de medicina do esporte, v. 13, n. 6, p. 366-370, nov./dez,2007.
  • ROSARIO, L.F.R.; DARIDO, S. C.A. A sistematização dos conteúdos da educação física na escola: a perspectiva dos professores experientes. Revista Motriz. v.11, n. 3, p. 167-178, set/dez, 2005.
  • SANTIN, S. O corpo simplesmente corpo. Movimento. Porto Alegre: v.7, n. 15, p. 57-73, 2001.
  • SILVA, S. P.; MAGALHÃES, M.; GARGANTA, R.M.; SEABRA, A. T.; BUSTAMANTE, A.; MAIA, J. A. R. Padrão de atividade física de escolares. Rev. Bras. de Cineantropometria e desempenho humano. v. 8, n. 2, p. 19-26, 2006.
  • TRICHES, R. M.; GIUGLIANI, R. J.; Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Revista de Saúde Pública. São Paulo: vol. 39, n. 4, ago, 2005.
  • WEINECK, J. Treinamento Ideal. Instruções técnicas sobre o desempenho fisiológico, incluindo considerações específicas de treinamento infantil e juvenil. São Paulo, Ed. Manole, 2003.
Disponível em: http://debemcomavida.mdsinsure.com/cat-saude/o-papel-da-escola-na-obesidade-infantil/; http://noticias.terra.com.br/educacao/estudo-aponta-papel-da-escola-para-evitar-obesidade-infantil,e568febb0345b310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html; http://www.efdeportes.com/efd157/a-obesidade-infantil-na-escola.htm. Acesso em: 23/03/2016.

Imagens disponíveis em: http://www.sempreperfeito.com/a-obesidade-infantil-um-problema-serio-que-precisa-ser-enfrentado.html; http://correio.rac.com.br/_conteudo/2014/11/capa/saude/219848-estudo-da-unicamp-comprova-beneficio-de-exercicios-fisicos.html; http://revistabicicleta.com.br/bicicleta_noticia.php?escola_troca_cadeiras_por_bicicletas_ergometricas_para_prevenir_obesidade&id=31286; http://comendocomosolhos.com/guia-promove-programa-de-alimentacao-saudavel-nas-escolas/; http://www.cfn.org.br/index.php/obesidade-infantil-dispara-nos-paises-em-desenvolvimento-alerta-oms/; http://vivomaissaudavel.com.br/alimentacao/alimentacao-infantil/consumo-de-refrigerantes-pode-levar-a-obesidade-infantil/. Acesso em: 23/03/2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário